Morreu em Roma, em 18 de abril, Giuseppe Fiori, jornalista, historiador e biógrafo de Gramsci, com pouco mais de oitenta anos. (Nasceu na Sardenha em 27 de janeiro de 1923.) Três vezes senador pela “Esquerda Independente” (ligada ao antigo PCI), Fiori esteve entre os fundadores da IGS-Itália, em 1996.
É conhecido em todo o mundo pela sua Vida de Antonio Gramsci, originalmente publicada em 1966 e traduzida em muitas línguas, inclusive o português (Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1979). Obra pioneira e apaixonada, contribuiu para trazer Gramsci para fora da esfera do mito. Talvez ainda não superada na primeira parte - ao reconstruir a infância, a juventude, o ambiente familiar, os estudos e as primeiras experiências políticas de “Nino”-, a famosa biografia envelheceu um pouco com o avanço das pesquisas e dos estudos na parte restante. Mesmo assim, continua sendo uma leitura imprescindível.
Em 1991, Fiori publicou um outro livro de grande importância, Gramsci Togliatti Stalin, no qual lançou uma nova luz sobre a intrincada relação entre os três personagens que o título menciona. Em 1994, também organizou uma Vida através das cartas (na verdade, o autor é o próprio Gramsci), muito útil para um público mais amplo.
Trata-se de uma grande perda para a cultura e para todos os amigos de Gramsci.